Qual o sentido da vida?
03 de Setembro de 2018
Qual o sentido da vida?

Você já se perguntou em algum momento, “Qual o sentido da vida? Qual o sentido da minha vida? Muitas pessoas passam a vida buscando a resposta para essa pergunta. Mas será que existe uma única resposta?

As pessoas são diferentes, cada uma carrega sua história de vida, seus desejos, sonhos, crenças, sendo dessa forma, impossível de limitar a uma única definição, pois é diferente para cada um.

Uma coisa é certa, todos buscamos a felicidade. Mas é difícil definir a felicidade também, saber onde ela está e o que nos faz felizes. Muitos buscam a felicidade em coisas passageiras como o consumismo, o poder, o dinheiro, as drogas e tantas outras coisas que trazem alegria em curto prazo, mas em longo prazo deixam um vazio. O chamado vazio existencial, o vazio que corrói os dias.

Por isso, que vemos muitas pessoas sempre buscando a felicidade, sempre acreditando que algo está faltando. Vivendo de expectativas, de futuro, (com discursos do tipo: “quando eu tiver dinheiro”, “quando eu me aposentar”, quando eu mudar de casa, de emprego”, “quando eu casar”, ...) tentando encontrar essa felicidade, mas sem saber para qual lado ir. Essa busca incessante torna as pessoas insatisfeitas, tristes, frustradas, sempre reclamando da vida.

A felicidade não deve ser um fim a ser alcançado, mas uma constante a ser vivida. A vida diária está repleta de sonhos, de metas a serem alcançadas, de pequenos prazeres a serem aproveitados. A vida está sempre nos oferecendo novas oportunidades. O momento que estamos vivendo, em que nos encontramos deve ser valorizado, pois é tudo o que temos, é nosso maior presente.

A nossa história de vida também tem dor, sofrimento, conflitos, desespero e desesperança. Mas ser feliz não é ter a vida isenta de frustrações, perdas ou angústias. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crises.

Como tantas vezes já ouvimos: “a vida é realmente muito simples, somos nós que a fazemos complicada”. Isso é uma verdade!

A felicidade não está somente nas grandes coisas, naquilo que é difícil, que dependa de muito dinheiro, ela está na simplicidade, na beleza da natureza, naquela comida gostosa, naquele cheiro que te recorda a infância, em alguém que te faz bem, naquele lugar que te deixa em paz. As vezes a felicidade é um pudim de leite condensado, um cheirinho de pão caseiro, brincar com os filhos, caminhar molhando os pés na água do mar.

Portanto o melhor que temos a fazer, é não ficar tentando descobrir o sentido da vida, mas sim vive-la. Fazer com que cada momento seja valorizado. Seja um bom exemplo para aqueles que viverem depois de você. Viva a vida de forma plena, extraindo o melhor dela, e causando o maior impacto positivo em outras vidas.

Eu acredito que o verdadeiro sentido da vida é fazer com que nossa presença torne o mundo melhor do que o encontramos. Se sua presença melhorar sua família, seu próximo, seu bairro, cidade, país, por mínima que seja essa melhora, sua vida fará sentido. Se cada um fizesse um pouquinho o mundo seria melhor.

Fazer a diferença, significa dar sempre o melhor de si naquilo que você já faz. Não espere o dia, faça o dia. E o melhor dia é o “agora”. Não importa o que você faz, mas como você faz. Seja útil às pessoas agora mesmo, onde estiver.

No mundo atual, podemos ser todos iguais, ou podemos ser pessoas diferenciadas. O que você quer ser? Se sua resposta foi “ser diferenciada”, então faça a diferença na vida de quem está ao seu redor.

Qual foi a última vez que você ajudou alguém? Que você deu um abraço? Ou simplesmente um pouquinho da sua atenção?

O dia a dia é repleto de oportunidades de fazer a diferença na vida das pessoas por meio de pequenas atitudes que são capazes de tornar nossa existência grandiosa. Um sorriso, um elogio...como faz a diferença!

Pequenos movimentos diários de amor e compaixão tornam a vida mais leve e significativa. Sempre que você desperta o sorriso em alguém, recebe este sorriso de volta para você. Uma boa ação inicia uma corrente do bem capaz de alcançar milhares de pessoas, transformando o mundo em um lugar melhor.

Gláucia Perin
Psicóloga Clínica CRP: 06/104499


Artigos Relacionados

O Lúdico no atendimento Psicopedagógico
O Lúdico no atendimento Psicopedagógico
16 de Agosto de 2018
leia mais...
Terapia de grupo "Autoconhecimento"
Terapia de grupo 'Autoconhecimento'
03 de Setembro de 2018
leia mais...
Atendimento Psicológico, Vamos entender melhor?
Atendimento Psicológico, Vamos entender melhor?
21 de Agosto de 2018
leia mais...